sábado, 14 de fevereiro de 2009

Novas Ondas...


Texto per
tencente
ao conto
embru
lhado
com
Grazzi Yatña,
para me
lhor
enten
dimento e
informa
ções,
seguir
O início está aqui mesmo,
o fim está em algum lugar,
onde a sanidade
não deverá habitar.
Boa
diversão.
Paulo Castro.
º
Claro que ela não morreu com a pancada que lhe dei. Ela não é dada a esse tipo de coisas, como morrer ou manter a mesma escova dentária por mais de uma semana. Apenas o pai viera tomar satisfações comigo e não preciso me alongar, ele tinha muito de "old school" na maneira de ser violento, estava ultrapassado e eu um novo e aplicado aluno da nova violência. Eu tinha lhe dito que a porta estaria aberta e mesmo assim ele precicou chuta-la e apontar a pistola com mira escura para todos cantos da sala. Desnecessário e imbecil. Ela herdou isso dele, mas melhorou as coisas: sabia ser desnecessária e imbecil como forma de seduzir.
Pulei de trás do sofá com a idéia que nasceu mesmo ali, na porta chutada com a bota militar, em questão de segundos. Ou a metade de um segundo. Ou um riso caçado estupidamente pela mira laser: acertei sua cara com ambas as mãos. Mas dessa vez, do salto, o fiz até que o peito parasse de subir e descer. Até eu ter a certeza. Até o amor que lhe faltava não segurar minha saliva que voava para todos os cantos.
º
Arrumei o necrotério-enfermaria na cozinha. Sempre que me preparava um sopão de salsichas averiguava a evolução do plano: ambos tinham quase a mesma altura quando eu coloquei as botas nela e o deixei descalço. Claro que um dia o rosto dela fora mais refinado do que os roxos e inchaços de agora, a boca mais gostosa do que essa mandíbula em torcicolo que o tubo do respirador ( vendem essas coisas com uma espantosa facilidade, bem como atlas de anatomia, kits cirúrgicos, e literatura e poesia. Não percebem como tudo isso é extremamente suspeito ), um dia o rosto dela me convenceu com um sopro de cigarro na cara e tosse a viver um tipo diferente de relacionamento. Agora injeto silicone no seu queixo, para o formato exato.
Relacionamento é vida. Bom título para um auto-ajuda comprado na rodoviária.
Tenho certeza que ao acordar, ela irá me amar ainda mais pelas atitudes do agora.
º
Acertei mais um soco no nariz dela. Com a tesoura, o bisturi e as linhas, fiz o desvio de septo no ângulo exato do corpo na maca ao lado. Muito bem, teria agora uma pessoa que ronca e não ronrona ao dormir. Cartilagens do ofício ou ossos da paixão. Quase sorri disso.
º
Instalei inicialmente o expansor de orelha de 2cm em seu clítoris. O tatuador disse que eu poderia aumentar para 4 cm em duas semanas. E assim por diante. Ele achava que eu falava da orelha e de alguém acordado. Fui exponenciando o diâmetro a cada três dias.
º
Mesmo alguém com corte chanel tem muito cabelo. Depois de fazer o corte militar, peguei o ônibus e lancei tudo na nascente do infecto rio. Li coisas sobre crimes, dentes e fios de cabelo.
º
O pai começou a feder com o passar dos dias. O sopão ficava indigesto.
"O amor supera tudo". Outro bom título de ler esperando o avião.
Passei a treinar a penetração anal no cadáver. Beijava sua nuca e dizia que o amava profundamente. Interessante, comprei um livro de receitas, uma passagem no supermercado luxo 24 horas, e meu apetite ficou cada dia mais refinado. Começo a entender as bichas e seus scargots.
º
Ele tinha algo de oriental nos olhos. Gatuno.
Com dois pequenos cortes ela ganhou também essa feição. Ficou lá sangrando uns três dias, mas se eu desse os pontos, como afirmava o "Compêndio de Cirurgia Plástica Contemporânea & Body Modification", eu perderia o efeito desejado.
º
Alargador de orelha número 18. O tatuador disse que depois gostaria de ver o trabalho, fotografar, que iria para seu álbum de clientes mais ousados. Tirei a arma, apontei a mira laser para sua testa e disse que ele apenas me fornecia o material, mas que todo trabalho estava sendo meu. Hell Angel de merda. Vai ouvir heavy metal e me deixe trabalhar em paz.
º
A rigidez cadavérica deixava o sexo anal com o pai ainda mais excitante e refrescante. Alguém pode me culpar? Com um verão desses !
º
A sonda nasogástrica a alimentava essencialmente de proteínas. Passava as noites na beira do leito, exercitando seus braços, levantando as pernas, orando, fazendo-a ouvir música eletrônica nos fones dia-e-noite.
º
O objetivo tinha sido alcançado. Eu preciava fazer algo para que acordasse. Já respirava sem a ajuda de tubos, e diminui radicalmente as doses de heroína que atolava em suas veias. Teve algumas convulsões por dependência, mas nada de acordar. A bela adormecida. Acho que um dia eu tive uma mãe, até mesmo um pai mais sensível, e ele me lia isso( eu sou a Bela Acordada, Flaubert e Morfeu) e Rei Leão antes de dormir. Mudei. Passei a comer o cu dela. Morder-lhe as orelhas. "Te amo, te amo, ai, ai, te amo, Nossa !"
º
Comprei a picanheira por uma pechincha.
- Picanha saiu de moda, cara - me disse o rapazote de boné mano brown virado ao contrário.
- O que as pessoas andam comendo agora ?
- Com a crise, acho que nem pão véio...ahahahahahaha.
- Sei. Pão velho.
º
Até virar pó, de maneira e cor homogêneas, um corpo humano deve ser assado no bafo, por três dias. "Não tenha pressa, tenha eficácia". Como ainda não pensaram em um título como esse, a melhoria editorial do velho ditado? Adeus, papai. Nos vemos em breve, um pouco mudados, eu sei. Carvão ativado.
º
Ela acordou depois de dois meses e cinco dias. Não entendo de numerologia. Anotar isso e pregar com imã de geladeira.
- Porra...ai....sou dor.
- Oi, minha graça. Saudades. Te amo.
- Minha voz está diferen....DIFERENTE !!!!
- Calma, calma...psiu...foram os hormônios de cavalo. Você vai entender tudo. E vai gostar.
- Dói.....eu dói.....
- Nascer é assim. Morrer não sei.
- Eu lembro. Você me olhou e.....Filho da putzzz.....ai.
- Anotei aqui a série de perguntas que obviamente você faria. E não estamos no cinema. As respostas são as mais didáticas que consegui. Fiz em versinhos e hai-kais.
E expliquei tudo.
A reação foi melhor do que a imaginara.
Ela gargalhava a cada detalhe. Dava socos na mesa, potentes pancadas. Rachando e sendo.
- Preciso treinar a falsificação da assinatura dele, acho que em pouco tempo consigo igual.
- Sim. E se acostumar em ter agora um pinto entre as pernas. Eu quis um bem largo e grande.
E joguei charme, fingindo vergonha:
- Estou louco para que você me coma... e me chame de "filho amado".
- Cara....isso aqui fica duro mesmo ! E molhado. Eu te enrabaria agora.
- Deixe isso pra comemoração.
- Sim.....me passe aqui os vidros com o pó do velho.
- Claro, todo seu.
- Nosso, amor. Nosso. E o espelho. Rá. Eu estou horrível ! Adorei.
- Horrível não. Apenas parecida. Sem querer me gabar, idêntica. Ou idêntico.
- Pão ?
- Sim. Pensei em usar esse pó todo para fazermos pão. E meio que ajudar os esfomeados dos morros. Distribuir para alguma causa humanista. ONGs.
- Eu vou poder comer um ?
- Um para nós dois. Com vinho tinto. Aos céus.
- E depois a comemoração ? Em que vou te foder, querido ?
- Isso mesmo, amado papai. Nunca te amei tanto antes de te conhecer.
- E depois dizem que um casal acaba não dando certo com o tempo.
- As pessoas não lêem, é uma pena. Tem um ótímo, "Casais Inteligentes Enriquecem Juntos".
- Me parece perfeito.
- E é. Amada. Amado.
- Me beija, vem....
- Hum. Benditas injeções. A barba penica delícia....
º

19 comentários:

DAPHNE disse...

MÓRBIDO.
TÉTRICO.
FÚNEBRE.
SÓ OU MAIS, NÃO SEI AGORA...
BJOSSSSS
CONTINUE, EU GOSTO.

CL�UDIA disse...

começando mais uma rodada do começo de tudo ke eh aki mesmo... gostei muito na primeira leitura. na segunda leitura talvez eu consiga comentar alguma coisa realmente diferente. e na terceira talvez eu consiga entender oke vc realmente ker... hauhuahauah.para algo realmente novo...
homem misterioso. e difícil. beijos.

Bestfull disse...

Psicótico...
Mórbido...
Necrofilista...
Canibalista...
sacárstico extremista...
Insano...
Artista Macabro...
Também amam!!

Dr. Lecter Hannibal, ficaria com ciúmes!
Muito bom!

Anônimo disse...

O que a falta de trabalho, emprego, serviço, trampo faz. Uma cabeça culta disperdiçando seu tempo.

Anônimo disse...

anônimo:

é por ter um emprego, trampo, trabalho, vere ouvir gente em seus segredos por 12 horas ao dia, que escrevo o que escrevo.
entendo sua excitação.
º

Paulo.
º

dfenelon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

acho que finalmente encontrei alguém mais sensível e debochado com mais força do que eu. mas quero fazer uma brincadeira com seu texto. se funcionar pra mim, te envio.
bj, doctor.
ps- 12 horas é bondade sua. já te ouvi trabalhar nas férias e finais de semana.


bel.

Anônimo disse...

Entendi Finalmente
T E O R E M A...rs.

Anônimo disse...

Amanheceu. Ele dormiu durante 5 meses e dois dias, lembrou do nó q os cachorros davam qdo metiam,não sabia onde tava e nem com quem; puxou a descarga e lá se foi seu eu; a essência não tão boa de tudo... O bisturí rasgou todo o texto e PIMBA!!em cada lado do rosto tinha um seio, nem sinal de barba, vem mamá aqui OH, PAI OH!!Olhou o negativo da foto do cara q tava com ele; com os braços pendurados no lustre e a cabeça quase embaixo da cama,que capacidade de elasticidade/ pensou, então seu sexo era um tres oitão!! pra quem ontem só tinha el tico... humm; tava com a tocha!!Arrancou a toalha xadrez q o confundia, demoliu a casa de tijolinho à vista, picou o pijama de bolinhas e se perdeu, sem coleira, latia só dentro de casa, lá fora era uma gracinha...
pensou em comprar pratos fundos e encher com os pães que fizera guirlandas, ah! pão com purpurina, nos estomagos dourados de fome; distribuiria... olhou bem o homem q chegou pra ficar com ele. E disse:VENGA!! ele virou- se p/ a porta foi até a padoca, comprou pão amanecido que era mais barato, tomou um café gelado; retornou, arrancou seu hábito de freirinha e ordenou a ele: me come! me amarra na cama com meu tercinho , vem benzinho!!e me reza em cada conta dura de 50 clitóris tesos, e 5 caroços maiores, paus nossos de cada dia....ele não morreu com a pancada q lhe dei;(prestenção, sou o narrador...) nem sei direito o que aconteceu, acho q foi a chuva de ontem; mas choveu? levantou- se e botou um ovo, carajo!! era um ornotorrinco fêmea!!se soubesse antes ,poderia ter dado gostoso... saiu, bateu a porta,era noite alta, o sol brilhava que só vendo, viu um ex marido pondo o lixo pra fora pra sua ex- esposa, feliz!! inacreditável!!um caramujo atravessava a rua principal com um kitinetão de quarto e sala nas costas...não teve dúvidas, voltou pra dentro da casa, remendou o texto com cuspe,e dormiu por dois
dias e cinco anos de aberrações...
maria de Fátima Prado

Samantha Abreu disse...

Cacete, me incomodou... fiquei pensando no meu pai. Deu dózinha.
hehehehehee. Mas antes o pai dos outros do que o meu, oras.
E a ardência de renascer antes de morrer pra sempre me parece agradável. Veja só... Nada melhor do que o que parece real e dói.
Meu chanel tem cabelo na medida, nunca atrapalha na boca, mas conforta no abraço e no cangote.
Não sei de quantas deformidades se faz um corpo - ou uma personalidade - mas eu morreria de amor, se soubesse como.
BeijO!

b disse...

Dois meses tres dias faz + ou - um tempo de se trocar estações que não são mais estações assim como ela já não é mais a imbecil que apenas seduz.
Agora é a utilidade de cúmplice e da mulher homem clitorisiada por amor.
Pênis de mulher pode ser mais incisivo no ato/fato do amor do que pênis de homem .
Terão prazer pela maldade e prazer pela novidade que logo logo deixará de ser novidade.
Deistindo do pão, o pó do pai será misturado a água mineral francesa e emplatro para um sexo escorregadio e uma pele saudável.
Sem o pão comerão os brioches de Marie Antoniette.
Mas um talento de existir deste tamanho oculto do mundo?
Cansados de não exibir seus contextuais modos, resolvem, depois de sacar grana e vender os bens do pó pai, abrir uma pequena portinha, roxa na cor, estreita ao passar (pelos caminhos largos não se chega ao reino do céu), corredor forrado com papel de parede revestido de pregos e uma saleta.
Spa ou puteiro, porque se comerá o fregues(a) de qualquer modo.
Merece.Pela incapacidade de não dar a meia volta.
Como?
Se em algum lugar dessas pessoas, a morbidez do desconhecido é mais atraente do que dias e noites de certezas?
Sabendo que as certezas são muitíssimo mais mórbidas e cruéis do que o roxo, o corredor, o carinho da maldade, a provável morte, o futuro...
Pó és e serás, não antes de pagar taxa alta pelo serviço do desconhecido.
Afinal, ainda tem os imóveis do pó pai a vender, mexer em grana de banco pode criar uma suspeita dispensável.
A impunidade dá poder para foder.
E assim vai num crescendo o negócio da China...China sim! Pois os ricos de Singapura e Hong Kong sugerem que se abra filiais por lá, onde o tédio da existência é maior que tudo.
Souberam através de um jogo de I Ching, de um lugar onde se encontra a eterna idade de maneira diferente.
Querem,desde que sob contrato.
Segue a sina dos fazedores de pó.
Sabem deus e o diabo que isto lhes pouparão o árduo trabalho de julgamentos, sentenças etc...pois a alma vai inclusa no pó, tanta é a força de sentimento emoção tesão que se mistura na fazedura dos pós - não de arroz, são pó de depois.

Kaverna disse...

é isso aí maninho... bom é quando faz mau!!!!

CL�UDIA disse...

conforme eu havia dito antes, uma trilogia assim tão enigmática,merece ser lida três vezes. acabo de ler pela terceira vez e última vez. agora ACHO ke consegui entender o ke antes era só um pressentimento. teu herói cata uns materiais aki, cata uns materiais ali, cata uns materiais acolá...se liberta de uns obstáculos. e recicla uma coisa velha e sem-graça dele. mas isso eh eh mesmo ke dar um tiro no próprio ppe.. eu humildemente acho ke pessoas e relacionamentos não são recicláveis. ou prestam pra vc ou não prestam pra vc. sabe odito popular, na bosta quanto mais se mexe mais ela fede??? pelos chifres de Satã, eu conheço o frankestein e ele eh um cara muito infeliz e os pés dele são gelados igualzim pés de defunto. a´a´a´a
!,,!

Maria disse...

Estou adorando essas parcerias-contos de vcs dois.
Recomendaria Barbara do lesados em geral para mais um complento final, Não que falte...considero de muito valor literário para a contínua morbidez e de bom humor sarcástico para uma proposta lietrária formal, como um livro por exemplo.
Estou amando os contos, ainda bem que os descobri!
bjs.

Gabriele Fidalgo disse...

Ai, estou adorando!

Anônimo disse...

YEAH.


Paulo Castro.

º

Duda Bukowski disse...

Sempre ótimo! Te add no meu blog!
http://dudabuk.blogspot.com/
BJãO

Anônimo disse...

Entendi e gostei heheheh
Vc é um puto, Paulo.
Por um momento achei que vc estava do outro lado da rua...

albert-silvia-lurdes disse...

Relacionamento é vida. Bom título para um auto-ajuda comprado na rodoviária. ( boa idéia)
Acho que casai inteligentes se queimam ao bafo, adorei o macabro de tudo, beijocas!